Seu navegador não suporta JavaScript!
Logon

 29/02/2016 - Viver Bem

 O que você precisa saber sobre o Zika vírus

 Infectologista da Unimed Porto Alegre alerta para importância da prevenção

Nos telejornais, programas de televisão e rodas de conversa não se fala em outra coisa que não seja a preocupação com o Zika vírus. O Zika é um flavivírus, semelhante à Dengue e ao Chikungunya. Após a picada do mosquito, os sintomas aparecem entre cerca de três a 12 dias e duram de três dias a uma semana. Ainda não existe um tratamento específico ou vacina.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o Zika uma epidemia.  O vírus foi identificado inicialmente em Uganda, na África, em 1947. Surtos da doença no Brasil foram detectados em 2015. A população pode fazer a sua parte eliminando os criadouros de mosquitos Aedes aegypt, responsável pela transmissão do vírus, visto que cerca de 80% estão dentro dos domicílios ou residências. Portanto, caixas d'água, vasos de plantas, tonéis e pneus, devem ser vedados. 

De acordo com a médica infectologista da Unimed Porto Alegre, Patrícia Reis Pereira, no Rio Grande do Sul não existem casos autóctones confirmados, apenas dois casos que vieram de fora. A movimentação do mosquito pode variar entre 150 a 200 metros, além de ter preferência por água limpa. A médica Patricia também observa o fato de o Zika já estar estabelecido no País como uma epidemia, por isso a ajuda de toda a população é bem-vinda para prevenir a maior proliferação do vírus. "A OMS e as agências de saúde de muitos países estão estudando o vírus incessantemente, com uma previsão de vacina para três anos e muitas publicações sendo feitas", afirma.

Existem várias marcas de repelentes no mercado que podem auxiliar a população a se precaver. No cuidado para as grávidas, a indicação é usar repelentes liberados pela ANVISA. Eles devem ser aplicados conforme orientação do rótulo ou de duas em duas horas ou três vezes ao dia. Sobre dicas caseiras para a população em geral, a Dra. Patrícia observa: "Deve-se eliminar todos os criadouros com água parada, bem como evitar ter bromélias ou furá-las e escová-las para que não acumulem água. Recomendo ainda deixar os pratos de plantas com areia ou escová-los uma vez na semana, tampar os ralos com telinhas e tratar as piscinas com cloro. A água sanitária funciona, principalmente para os locais que não conseguimos limpar adequadamente", aponta.

Em caso de suspeita de ter contraído o vírus, procure a unidade de saúde mais próxima e não use medicamentos por conta própria. O importante é combater o mosquito periodicamente. Todo mundo é responsável pela sua saúde e a saúde da sua vizinhança. Com atitudes simples no dia a dia, é possível interromper o ciclo de vida do mosquito.

Fique atento aos sintomas:
- Quando há febre ela é baixa;
- Dores leves nas articulações;
- Manchas vermelhas na pele estão quase sempre presentes nas primeiras 24h;
- Pode haver coceira de leve a intensa;
- Pode haver vermelhidão nos olhos.